conecte-se conosco


Geral

Com foco no aumento da produtividade, Paraná lança Rede Morangos do Brasil

Publicados

em

Com foco no aumento da produtividade, Paraná lança Rede Morangos do Brasil

Rede integra Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Santa Catarina que, juntos, respondem por cerca de 80% da produção nacional.

O Governo do Paraná promoveu evento online para lançar oficialmente a Rede Morangos do Brasil, que envolve pesquisadores e agricultores da cadeia produtiva do morangueiro. A rede foi instituída no ano passado, por meio de um Memorando de Entendimento entre instituições de vários estados – Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Santa Catarina –, com foco na redução de custos e no aumento da produtividade e qualidade do fruto.
Juntos, os cinco estados respondem por cerca de 80% da produção de morangos no Brasil. Nesse cenário, a ideia é elaborar um plano multirregional, articulando ações e atores para o fortalecimento socioeconômico da cultura. O intuito é fomentar a produção nacional, desenvolvendo cultivares com potencial produtivo e de fácil adaptação às diferentes regiões do território brasileiro.

 

Produção de morngos em Mandirituba – Foto: Ari Dias/AEN

Priorizando o desenvolvimento regional sustentável, as ações devem contemplar aspectos como: melhoramento genético; tecnologia de produção de mudas; nutrição de plantas nos sistemas de produção; fitossanidade (prevenção de doenças e pragas); pós-colheita; e gestão da cadeia produtiva (produção e comercialização).

A iniciativa conta com investimento de R$ 1,6 milhão, sendo R$ 680 mil do Fundo Paraná, dotação para o financiamento da produção científica e tecnológica paranaense, e R$ 326 mil da Fundação Araucária, com recursos do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O restante dos recursos é proveniente dos estados parceiros.
COOPERAÇÃO – O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, destacou a cooperação da comunidade acadêmica na produção de conhecimento, associada às ações de políticas públicas. “É importante que a ciência esteja a serviço da melhoria das condições de vida da população, gerando riqueza, renda e desenvolvimento econômico e social”, afirmou, pontuando a urgência por cultivares próprias do morango.
Para o diretor do Departamento de Desenvolvimento de Cadeiras Produtivas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Alexandre Barcelos, a parceria é fundamental para a consolidação da atividade produtiva. “O trabalho em rede vai permitir potencializar a produtividade das propriedades rurais, agregando valor e minimizando perdas e desperdícios que assolam os agricultores. Estamos conectados nessa perspectiva para fortalecer o processo produtivo como um todo”, salientou.
DIAGNÓSTICO – Um dos coordenadores da Rede Morangos do Brasil, o professor Juliano Tadeu Vilela Resende, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), apresentou um diagnóstico prévio, realizado nos primeiros meses de trabalho.
Atualmente, o Brasil não dispõe de programas de melhoramento genético da atividade produtiva, o que acaba gerando dependência de outros países. A área plantada de morangos no território nacional é de 6 mil hectares e a produção alcança a marca de 250 mil toneladas. Além dos cinco estados que integram a rede, a produção abrange Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, gerando cerca de 150 mil empregos diretos.

Leia Também:  Rede de supermercados paranaense vai medir temperatura dos clientes

Em termos de custo de produção, a implantação de um hectare com morangos, por exemplo, varia entre R$ 50 mil a R$ 150 mil, sendo que as mudas representam cerca de 60% desse valor, dependendo do manejo e do nível tecnológico empregado no sistema de produção. Geralmente são utilizadas 40 mil mudas por hectare, cujo valor do milheiro está entre R$ 1.500 e R$ 1.800.
Anualmente, o Brasil demanda 200 milhões de mudas – cerca de 150 milhões são importadas do Chile, da Argentina e da Espanha –, o que gera um desequilíbrio na balança comercial em torno de R$ 250 milhões. As mudas são produzidas na Patagônia, no extremo sul da América do Sul, enquanto o material genético é de origem americana, italiana e espanhola.
“Considerando que praticamente todos os insumos utilizados na cultura do morango são cotados em dólar, inclusive as mudas, observamos um aumento substancial no custo de produção, o que vem dificultando a vida dos agricultores e reduzindo a capacidade de investimento. Outro desafio está relacionado à logística na pós-colheita, compreendendo a distribuição, o armazenamento, o transporte e a embalagem, assim como a falta de programas governamentais de apoio para assegurar a sustentabilidade da cadeia produtiva”, sinalizou Juliano.
Cada instituição parceira atua em um ponto específico da cadeia produtiva do morangueiro. Entre várias ações, ele explicou que a rede pretende propor atualização dos programas de melhoramento genético, produzindo mudas de qualidade fisiológica e fitossanitária; reduzir o uso de insumos, explorando de forma mais eficiente os sistemas de produção; diversificar a produção para os sistemas agroecológicos; e contribuir para a logística de distribuição e organização da produção e comercialização.
PARCERIA – A Rede Morangos do Brasil é composta pelas seguintes instituições: do Paraná, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar-Emater); de São Paulo, Instituto Agronômico (IAC), Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), Instituto Biológico (IB), Instituto de Economia Agrícola (IEA) e Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL); de Minas Gerais, Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater–MG); Universidade Federal de Lavras (UFLA); de Santa Catarina, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri); e do Espírito Santo, Instituto Capixaba de Pesquisa Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

Leia Também:  Goioerê está com matriculas abertas para a rede municipal

PRESENÇAS – O evento contou com a participação do presidente do CNPq, Evaldo Ferreira Vilela, e do coordenador do Programa de Capacitação Tecnologia e Competitividade do CNPq, Cassiano D’Almeida. Pelo Estado do Paraná, estavam presentes o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig, e os reitores da UEL, Sérgio Carlos de Carvalho, e da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Alexandre Webber. Dos outros estados participaram: o secretário-executivo da pasta da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Francisco Matturro; o subsecretário da pasta da Aquicultura, Pesca e Desenvolvimento Rural Sustentável do Espírito Santo, Dorval de Assis Uliana; a diretora em exercício do Instituto Agronômico de São Paulo (IAC), Regina Célia de Matos Pires; a diretora técnica do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Sheila Cristina Pucoli Posse; o diretor de Operações Técnicas da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Trazilbo José De Paula Júnior; e o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Vagner Miranda Portes.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Homem sofre queimaduras e é encaminhado em estado grave ao hospital após incêndio destruir casa, em Londrina

Publicados

em

Um homem foi encaminhado ao Hospital Universitário de Londrina, no norte do Paraná, com queimaduras graves após um incêndio que destruiu uma casa, na manhã desta quarta-feira (29).

O local, segundo o Corpo de Bombeiros, estava abandonado havia cerca de dois anos, e pessoas em situação de rua ocupavam o prédio.

Os bombeiros informaram que as pessoas que ocupavam o local começaram a catar materiais recicláveis e depositavam as embalagens e outras peças na casa para, depois, encaminhar para venda.

No momento do incêndio, a vítima estava dormindo na residência abandonada.

O imóvel não possui rede de fiação elétrica, então, segundo os bombeiros, a suspeita é de que outro tipo de material pode ter dado início ao fogo, como algum cigarro aceso.

Os muros de alvenaria contiveram o fogo, fazendo com que o incêndio não se espalhasse para as casas ao redor.

Os bombeiros controlaram o incêndio durante a manhã e utilizaram mais de 30 mil litros de água nos trabalhos.

Por G1

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Vendedor de salgados humilhado ganha R$ 97 mil em vaquinha. Mesmo sendo deficiente físico, luta para sustentar a família
Continue lendo

GOIOERÊ

Rancho Alegre D`Oeste

Juranda

Quarto Centenário

Boa Esperança

Farol

MAIS LIDAS DA SEMANA