conecte-se conosco


Geral

Jovem acorda nua em cama de motel após festa e denuncia estupro

Publicados

em

Jovem acorda nua em cama de motel após festa e denuncia estupro

Vítima prestou depoimento à polícia e passou por exame de corpo de delito
Uma jovem, de 19 anos, denunciou ter sido estuprada após sair de uma festa e acordar em um motel neste domingo (10), em Paranaguá, no Litoral do Paraná. A polícia já está ouvindo pessoas que possuem ligação com o caso. As informações são do JB Litoral.

Segundo o Boletim de Ocorrência registrado na delegacia, a jovem diz ter ido a uma festa com amigas em um local bastante conhecido na cidade na noite de sábado (9). A garota afirma, ainda, que permaneceu com as amigas até as 2 horas da madrugada. Depois disso, porém, não se recorda do que ocorreu.

A jovem relatou à polícia que acordou sem roupas em uma cama de motel e um homem estava ao lado dela. O suspeito teria alegado à garota que a ajudou a sair do bar e a levou para dormir.

Conforme noticiou o JB Litoral, ela percebeu que seu shorts estava rasgado ao se vestir e que sua bolsa com documentos e dinheiro havia sumido. Em seguida, ela teria chorado e pedido ao homem que a levasse para casa.

Vítima já prestou depoimento e passou por exame de corpo de delito – Foto: Diogo Monteiro/JB Litoral
A vítima, já acompanhada de sua mãe, foi atendida em uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), pois não conseguia retirar o absorvente que ficou alojado em seu corpo. Na sequência, ela foi encaminhada ao Hospital Regional do Litoral para passar por exames.

Vídeo
Em um vídeo que circula pelas redes sociais, a vítima aparece sendo carregada por dois homens para fora do bar onde estava com as amigas. Algumas pessoas acompanham a saída da jovem.

Preferimos não divulgar o vídeo para preservar a jovem.

Posicionamento do bar
Em nota, o Mahle Bar e Restaurante afirmou que o caso “desagrada” a administração do estabelecimento e afirmou que se solidariza com a família da jovem. Leia abaixo trechos da nota divulgada nas redes sociais:

 

Leia Também:  Vigilância Sanitária de Goioerê: continua proibida a utilização de bisnagas para molhos

“No dia 09/10/2021, recebemos em nossa casa jovens da cidade, que fizeram muita festa, porém, um episódio que muito nos desagrada aconteceu e é importante que possamos esclarecer à comunidade parnanguara e às pessoas envolvidas nossa posição com relação ao ocorrido.

Apesar da alegada violência ter ocorrido fora das dependências de nosso restaurante, nos solidarizamos com a família e estamos comprometidos com a adoção de medidas ainda mais rigorosas de segurança.

Estamos colaborando ativamente com as investigações pois repudiamos qualquer ato de violência contra a mulher. Todas as imagens do local estão sendo compartilhadas com a Polícia Civil para apuração de responsabilidades e esperamos que a Justiça seja feita.

Nos colocamos à disposição da família e polícia para esclarecimentos necessários.

Grupo Mahle”

Investigação
Em entrevista ao JB Litoral, o delegado Nilson Diniz disse que as investigações sobre o suposto estupro tiveram início no momento em que o Boletim de Ocorrência foi registrado na delegacia.

De acordo com ele, imagens das câmeras de monitoramento do bar onde a vítima estava já foram solicitadas pela polícia.

“A Polícia Civil já tomou todas as ações e medidas necessárias para o início das investigações. A própria mulher que aparece sendo retirada do local já foi ouvida e encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) para a realização do exame de corpo de delito”, disse o delegado.

Diniz ainda afirmou que os homens que aparecem carregando a jovem no vídeo já foram identificados.

Da Banda B

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Praça de pedágio mais cara do País é uma das primeiras a ter a cobrança encerrada no Paraná

Publicados

em

Praça de pedágio mais cara do País é uma das primeiras a ter a cobrança encerrada no Paraná
Com o fim dos contratos de concessão, praças de pedágio da Econorte, Viapar e Ecocataratas tiveram suas cancelas liberadas às 23h59 desta sexta-feira (26). Praça de Jataizinho, que possuia a tarifa mais alta do Anel da Integração, está entre elas. Restante das praças encerra atividades no final da noite deste sábado.

27.11.2021 – Fim das concessões rodoviárias no Paraná – praça de pedagio de Jataizinho.
Foto Gilson Abreu/AEN

A virada do dia 26 para o dia 27 de novembro marcou o “início do fim” dos atuais contratos de concessão de rodovias no Paraná. À meia-noite, as cancelas de 14 praças de pedágio dos lotes 1, 2 e 3 (Econorte, Viapar e Ecocataratas) foram levantadas, e os motoristas deixaram de pagar as tarifas. Na passagem deste sábado (27) para domingo o mesmo vai acontecer em outras 13 praças, dos lotes 4, 5 e 6 (Caminhos do Paraná, Rodonorte e Ecovia).
O encerramento dos atuais contratos foi bastante simbólico, especialmente na região Norte do Paraná, nas proximidades de Londrina. Isso porque a praça de pedágio de Jataizinho possuía as tarifas mais caras do Brasil. O custo partia de R$ 26,40 podendo chegar a R$ 150,50, nos casos de caminhões com 7 eixos. Uma operação foi coordenada no local pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), com apoio da Polícia Militar do Paraná. Durante o final da noite e começo da madrugada, quem passava pela praça de pedágio celebrava o fim de uma cobrança considerada por muitos abusiva.

“Estou no sexto ano de Medicina, e durante quatro anos eu me deslocava de Cornélio Procópio para Londrina para estudar, passando por essa praça na ida e na volta”, contou o enfermeiro Fagner da Costa. “Gastei uma quantia incalculável de dinheiro pagando a tarifa aqui”.
Já o contador Samuel Rodrigues de Jesus Júnior salientou que esta é uma chance de realizar a concessão com tarifas menores. “O fim desses contratos é um marco para que o Governo do Estado consiga fazer um novo contrato com um valor justo para a população”, disse.

 

 

Houve até quem foi pego de surpresa pelo fim da cobrança. O casal Giovane Gross e Heloísa Cristina chegou às proximidades da praça pouco antes da meia-noite e se surpreendeu com o movimento. “Sabíamos que o contrato estava para acabar, mas não lembramos que era justamente hoje”, contou a autônoma.
O marido, que trabalha como bancário, ressaltou o impacto das cancelas abertas no local. “Nós moramos em Cornélio Procópio, e já gastamos muito dinheiro com pedágio nessa praça e em Cambará. E o problema nem é pagar uma tarifa, pelos serviços que o pedágio oferece, mas tem que ser um valor justo. Como está, gastamos mais com pedágio até do que com o combustível”, lembrou Giovane.

Leia Também:  Mais de 35 mil carteiras de habilitação estão em unidades do Detran aguardando a retirada

Já o caminhoneiro Ronaldo de Oliveira Sales, que passou conduzindo um caminhão-tanque transportando óleo vegetal, citou que a passagem pelas praças mais caras sempre pesou no orçamento de trabalho. “Com eixo erguido, pagando dois eixos, são R$ 43 só aqui. Com todos os eixos dá mais de R$ 60”, comentou. “A esperança é que, na próxima concessão, a gente pague uma tarifa baixa e que caiba no bolso”.

 

OPERAÇÃO – Com o fim das concessões rodoviárias no Paraná, uma verdadeira força-tarefa foi formada pelas secretarias de Estado da Infraestrutura e Logística, da Saúde e da Segurança Pública, juntamente com a PRF, para a continuidade dos principais serviços que até então eram prestados pelas concessionárias.

 

As praças fechadas na madrugada deste sábado foram as de Jacarezinho, Jataizinho e Sertaneja (relativas à Econorte); Arapongas, Mandaguari, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão e Corbélia (relativas à Viapar) e São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói (relativas à EcoCataratas).
Para evitar acidentes nas praças de pedágio, um novo fluxo foi organizado, com o tráfego canalizado pelas vias laterais, enquanto as centrais foram bloqueadas. O novo desenho de tráfego foi direcionado pelas PRF e Polícia Rodoviária Estadual (PRE). Após decisão judicial, a sinalização desse desvio ficou sob responsabilidade das concessionárias.

 

Em Jataizinho, a operação foi coordenada pela PRF. Segundo o agente Renato Alves, que participou da operação desta sexta-feira, o objetivo é garantir segurança e tranquilidade aos motoristas e evitar transtornos nessa mudança de rotina no local. “Estamos dando um suporte no local. A situação aqui é um pouco distinta, porque a Econorte permanece com o trabalho de guincho e atendimento médico, devido a um acordo judicial. Nosso objetivo aqui é ajudar para que não ocorram acidentes ou incidentes”, explicou o policial rodoviário federal. “Temos recomendado que os motoristas passem por esses locais respeitando os limites de velocidade e as sinalizações de desvios, o que será importante para que tudo corra com tranquilidade”.

 

No começo deste domingo, a mesma ação será realizada nas praças de Prudentópolis/Relógio, Irati, Porto Amazonas, Imbituva e Lapa (relativos à Caminhos do Paraná), Balsa Nova, Palmeira, Carambeí, Jaguariaíva, Tibagi, Imbaú e Ortigueira (Rodonorte) e de São José dos Pinhais (Ecovia).
TRÁFEGO – Com o fim da prestação de serviços por parte das concessionárias, eventuais interrupções na pista por causa de acidentes terão suporte da Polícia Militar do Paraná para desobstrução das vias. Neste primeiro momento, serão utilizados os guinchos da PM, mas o DER/PR já lançou um edital de licitação para contratação do serviço de guincho mecânico, leves e pesados, até o início das novas concessões.

Leia Também:  Anvisa recebe pedido para uso emergencial de medicamento contra covid

 

Importante ressaltar que a PM fará apenas a desobstrução da pista, para manter o fluxo das rodovias. A retirada do veículo do local será de responsabilidade dos usuários. Em casos de falhas elétricas ou mecânicas, o motorista também deverá fazer a sinalização e afastamento do veículo para não atrapalhar o tráfego.
Em caso de acidente ou emergência médica, o usuário deverá direcionar a chamada segundo sua ocorrência. Em caso de problemas na pista, motoristas que estiverem em rodovias federais (BR) podem ligar diretamente para o número 191, atendido pela PRF. Já os usuários que circularem pelas rodovias estaduais (PR e PRC) poderão discar 198, que direciona para a PRE. Para casos de interrupção de pista e outras ocorrências, o recomendado é ligar para o 190, da Polícia Militar, que tem capilaridade para transferir as ocorrências para as instituições correspondentes.
Em situações de acidentes com vítimas, o usuário deve ligar para o número 193, do Corpo de Bombeiros, tanto em rodovia federal quanto em rodovia estadual. Os atendimentos serão realizados em parceria com a rede de Samu. Vale lembrar que o usuário deve buscar um local seguro para fazer a ligação.

 

As únicas rodovias que continuarão recebendo o atendimento da concessionária são as do Lote 1 e do Lote 4, cobertas pela Econorte e Caminhos do Paraná. A exceção é consequência de um acordo firmado entre as empresas e o DER/PR. Com isso, continuarão realizando os serviços de guincho mecânico, de ambulâncias para atendimento pré-hospitalar, mantendo o centro de controle de operações e telefone para emergências 0800. A medida terá validade por 365 dias, devendo atender a todo o intervalo entre concessões.

 

PRF – A maior parte do Anel de Integração – 1,8 mil dos 2,5 mil quilômetros de rodovias – é federal. Nesses trechos, o patrulhamento é feito pela Polícia Rodoviária Federal, que também reforçou a sua estrutura para atendimento após o fim das concessões. O efetivo será de 40% a 100% maior, com presença estratégica nos trechos que demandam maior atenção — tais como praças de pedágio e locais onde acontecem mais ocorrências.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

GOIOERÊ

Rancho Alegre D`Oeste

Juranda

Quarto Centenário

Boa Esperança

Farol

MAIS LIDAS DA SEMANA