conecte-se conosco


Geral

Paraná tem menor taxa de crescimento da Covid-19 do Brasil

Publicados

em

Paraná tem menor taxa de crescimento da Covid-19 do Brasil
No período, a variação foi de 27,6% no número de registros confirmados da doença, enquanto a média nacional bateu em 51%. Estado também apresentou a menor taxa nacional de aumento de óbitos causados pelo novo coronavírus entre os dias 11 e 18 de maio

O Paraná foi o Estado que apresentou a menor taxa de crescimento de casos de Covid-19 entre 11 e 18 de maio. No período, a variação foi de 27,6% no número de registros confirmados da doença, enquanto a média nacional bateu em 51%. No mesmo período, a taxa de crescimento do número de óbitos causados pelo novo coronavírus no Paraná também foi a menor do Brasil: 14,4%.
Os dados fazem parte de um estudo coordenado pelo médico cardiologista José Rocha Faria, que é professor do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica (EPICENTER) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). A análise levou em conta os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde.

De acordo com Faria, o Grupo de Epidemiologia da PUC-PR está analisando os números de infecção e mortes nos estados brasileiros para tentar identificar os fatores que determinam o aumento dos casos. “Estamos olhando variáveis socioeconômicas, obediência às medidas de distanciamento social. Por enquanto só temos os números”, afirma o médico. .
“Mas é lógico pensar que o menor número de casos que se registrou no Paraná se deu por uma estratégia precoce de adoção de medidas de distanciamento social, como suspensão das aulas, fechamento de alguns tipos de comércio, tudo isso contribuiu para registramos aqui menores taxas de crescimento da doença”, avalia Faria.

 

Leia Também:  O goioerense "Rogério" que contraiu o coronavirus deixa a UTI depois de quase 3 semanas. Veja o vídeo

Quanto ao número de óbitos, ele explica que as taxas de crescimento estão diretamente ligadas à qualidade da rede hospitalar e disponibilidade de leitos. “Mas tudo isso são hipóteses que estamos analisando”, enfatiza.
ESTRUTURA – No Paraná, estão disponíveis 564 leitos exclusivos de UTI adulto para tratamento de casos de Covid-19 e a taxa de ocupação destes leitos é de 37%. A estrutura hospitalar segue sendo ampliada, para garantir atendimento à população. Além disso, o Estado deu início nesta semana a um programa de testagem em massa da população. A previsão é 5,6 mil testes por dia no método RT-PCR quando a operação estiver completa.

 

 

Os dados do Ministério da Saúde mostram ainda que o número de casos de infectados no Paraná pelo novo coronavírus por 100 mil habitantes é o menor do Brasil até 18 de maio. O Paraná tem 20,6 infectados pelo vírus a cada 100 mil habitantes. Mato Grosso do Sul, que ocupa o segundo lugar na lista, tem 22,1 infectados para cada 100 mil habitantes.
Segundo Faria, a análise de números absolutos leva a grandes distorções. “Num país tão grande como o Brasil, é essencial fazer a conversão do número de casos proporcionalmente à população e isso deve ser feito no menor território possível para dar um retrato mais fiel da situação”, afirma.

 

Leia Também:  É muita ousadia apos o abate: Bandidos deixaram uma garrafa de vinho sobre a cabeça do animal morto

ESTRATÉGIA – Faria explica que a proporcionalidade é essencial para traçar as estratégias de enfrentamento. “É por isso que os especialistas insistem em dizer que é tão difícil traçar um cenário único no Brasil. Cada região, estado, tem condições bem distintas. Os números de infectados por 100 mil habitantes do Amazonas, por exemplo, colocam o estado numa condição até pior que a Itália no pico da pandemia. Mas no Paraná o cenário já é outro. É preciso fazer análises distintas”, explica.
MORTALIDADE – Os números o Ministério da Saúde também informam o número de mortos por coronavírus a cada 100 mil habitantes. O Paraná fica entre os cinco estados que menos registraram óbitos decorrentes da Covid-19 até 18 de maio.
A média no estado é de 1,1. Os outros estados com menor índice de óbitos são Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso e Coias, com taxa variando entre 0,6 e 1. Amazonas, Ceará e Pernambuco têm os maiores índices de mortalidade – 34,6; 19,1 e 17,2, respectivamente.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Cadeirante mudo tenta assaltar relojoaria com arma nos pés – VEJA O VÍDEO

Publicados

em

Cadeirante mudo tenta assaltar relojoaria com arma nos pés – VEJA O VÍDEO

Cadeirante mudo tenta assaltar relojoaria em Canela

Uma tentativa de assalto chamou atenção na tarde da segunda-feira (25) em Canela, na serra gaúcha. Um jovem cadeirante, de 19 anos, tentou assaltar uma relojoaria com uma arma de plástico nos pés. Segundo a Polícia Civil, o homem que é mudo e não tem o movimento das mãos, teria chegado no estabelecimento com um bilhete onde ordenava que o proprietário não chamasse atenção e entregasse “tudo”. Além da arma de brinquedo, ele tinha uma faca enrolada na cadeira de rodas.

Bilhete usado para anunciar o assalto ( O assaltante é mudo)

 


Um funcionário da loja, que fica no Centro da cidade, avisou a polícia, que chegou ao local e conduziu o jovem para registro da ocorrência. Ele prestou depoimento com a ajuda de um familiar, e foi liberado.
O delegado Vladimir Medeiros diz que a Polícia Civil vai investigar o caso já que as circunstâncias devem ser aprofundadas.

“Há de se considerar que, dados os elementos inicialmente trazidos à Delegacia de Polícia, possivelmente seria um crime impossível de ser consumado, especialmente se considerada a condição física do investigado, inclusive em razão da impossibilidade de fuga”, destaca.
O jovem não possui antecedentes criminais. Ele vai responder por tentativa de roubo.

Fonte. G1

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  O goioerense "Rogério" que contraiu o coronavirus deixa a UTI depois de quase 3 semanas. Veja o vídeo
Continue lendo

GOIOERÊ

Rancho Alegre D`Oeste

Juranda

Quarto Centenário

Boa Esperança

Farol

MAIS LIDAS DA SEMANA