conecte-se conosco


Geral

Saúde confirma seis casos de coronavírus no Paraná

Veja os principais sintomas

Publicados

em

Cinco pessoas residem em Curitiba e uma em Cianorte, na Região Noroeste. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (12) pelo secretário estadual da Saúde Beto Preto, em entrevista coletiva. Ele afirmou que o Paraná está preparado para ações de retaguarda.

O secretário de Estado da Saúde Beto Preto informou nesta quinta-feira (12), durante entrevista coletiva, que o Paraná tem seis casos de coronavírus confirmados. Cinco pessoas residem em Curitiba e uma em Cianorte, na Região Noroeste. Todos os casos são importados, ou seja, em que os pacientes foram contaminados durante viagem ao Exterior. A secretária municipal de Saúde da Capital, Márcia Huçulak, também participou da divulgação para a imprensa.

 

O secretário alertou que o momento é de intensificação das medidas de prevenção. “O Estado está preparado para este enfrentamento. Seguimos as medidas de contenção e de prevenção estabelecidas pelo Ministério da Saúde e contamos com o apoio das secretarias municipais, que é fundamental”.

Ele salientou ainda que não há motivo para pânico. “O que devemos é ressaltar as medidas preventivas e tranquilizar os parananenses quanto à estrutura de saúde organizada no Estado”.

Desde o registro dos primeiros casos da doença na China, o Paraná já iniciou a implantação de medidas de contenção. Foi um dos primeiros estados do País a instalar o Centro de Operações de Emergências (COE) e a definir o Plano de Contingências, disponível no site da Secretaria de Esta do da Saúde.

 

CASOS – Os casos confirmados pelo Laboratório Central do Paraná (Lacen) são: pai e filha, de 54 anos e 25 anos, residentes em Curitiba, que passaram pela Espanha, Portugal, Holanda, Madri e Lisboa; pai e filho, de 43 e 15 anos, também de Curitiba, que estiveram na Itália; um homem de 58 anos, de Curitiba, que visitou a Itália, e uma mulher de Cianorte, de 47 anos, que esteve nos Emirados Árabes.

Leia Também:  30 anos do Campus da UEM de Goioerê é comemorado com aula inaugural do curso de física médica

O Lacen iniciou os exames confirmatórios ainda na noite de ontem. Os técnicos do laboratório fizeram uma grande força-tarefa para a conclusão das análises.

O Lacen passa a realizar os exames do coronavírus, como instituição referência do Ministério da Saúde, utilizando as técnicas e kits padronizados pelo governo federal. A princípio, o Estado recebeu 10 kits para exames específicos do coronavírus, que possibilitam 240 testes. Para a divulgação de resultados, o Lacen estabelece o período de 72 horas a partir da chegada das amostras no laboratório.

REDE – O Estado está estruturado com rede hospitalar formada por dez hospitais habilitados pelo Ministério da Saúde: Complexo Hospitalar do Trabalhador (Curitiba), Hospital Regional do Litoral (Paranaguá), Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (Ponta Grossa), Hospital Municipal Padre Germano Lauck (Foz do Iguaçu), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Cascavel), Hospital Regional do Sudoeste Walter Alberto Pecoits (Francisco Beltrão), Hospital Universitário Regional de Maringá (Maringá), Uopeccan (Umuarama), Hospital Universitário da Região Norte do Paraná (Londrina) e Instituto Lucena Sanchez (Ivaiporã).

Além destas instituições, o Paraná conta com toda a rede de hospitais para urgência e emergência, com leitos de UTI.

COMO AGIR – A principal recomendação para as pessoas com sintomas respiratórios é buscar o primeiro atendimento nas unidades básicas de saúde. “Os profissionais que atuam nesta linha de frente estão preparados para receber este paciente, passar as orientações, fazer o diagnóstico inicial e o encaminhamento para exames laboratoriais”, informou o secretário da Saúde Beto Preto.

Leia Também:  Sábado dia 12 na Tigrão Tintas de Goioerê o tradicional Feirão Casa e Cor tá confirmadíssimo!

O Paraná também conta com um sistema de Vigilância de Síndromes Respiratórias considerado modelo pelo Ministério da Saúde, com 51 unidades sentinelas, distribuídas em todas as regiões, e que atuam no registro, identificação e confirmações de casos suspeitos durante o ano todo.

EVENTOS PÚBLICOS – Em alinhamento com o Ministério da Saúde, a secretaria estadual, por meio do Centro de Operações em Emergências, informa que até o momento não há orientação para cancelamento de atividades coletivas e eventos públicos. No entanto, as medidas de contenção estão sendo analisadas diariamente pelo ministério e o COE estadual, sempre avaliando evidências de efetividade para cada cenário.

É recomendado evitar aglomerações, especialmente para grupos de maior risco, como idosos e pessoas portadoras de comorbidades, além das demais medidas já divulgadas, como a higienização das mãos, cobrir o nariz ao espirrar e tossir e usar lenços descartáveis. Outra orientação é o isolamento domiciliar em caso de suspeita da doença.

DUVIDAS – Quem tiver dúvidas referentes ao coronavírus pode entrar em contato com a Ouvidoria dos SUS (0800 644 4414). Os profissionais da área de saúde devem ligar para (41) 99117-3500, número exclusivo para esse público.

 

HISTÓRICO – O primeiro caso suspeito de coronavírus no Paraná foi registrado em 28 de janeiro e mas foi descartado. Desde 24 de janeiro, a Secretaria de Estado da Saúde já havia iniciado a adoção de medidas preventivas para a contenção do vírus.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Desemprego recua em 22 estados no segundo trimestre, diz IBGE

Publicados

em

O movimento que reduziu a taxa de desemprego a 9,3%, o menor nível desde 2016, foi guiado por 22 estados, refletindo a redução disseminada do número de profissionais desocupados no segundo trimestre de 2022.

No período, outros Amapá, Ceará, Rondônia, Mato Grosso e o Distrito Federal registraram estabilidade na movimentação do mercado de trabalho, mostram dados divulgados nesta sexta-feira (12) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O estado de Pernambuco registrou o maior recuo da taxa de desemprego na passagem do primeiro para o segundo trimestre: com queda de 3,5 pontos percentuais na taxa de desocupação, de 17% para 13,6%. Alagoas, Pará, Piauí e Acre também se destacaram, com quedas de cerca de 3 pontos percentuais.

Já no confronto anual, contra o segundo trimestre de 2021, todas as 27 unidades da federação  tiveram queda significativa da taxa de desocupação.

Conforme os dados da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), as maiores taxas de desocupação ao final do segundo trimestre foram apuradas na Bahia (15,5%), em Pernambuco (13,6%) e no Sergipe (12,7%), e as menores, em Santa Catarina (3,9%), no Mato Grosso (4,4%) e no Mato Grosso do Sul (5,2%).

Leia Também:  Governador se reúne com ministro da Saúde e pede mais vacinas e reedição de lei emergencial

A pesquisa mostra ainda que 73,3% dos empregados do setor privado tiveram a carteira assinada no segundo trimestre de 2022, com destaques para Santa Catarina (87,4%), São Paulo (81,0%) e Paraná (80,9%). Na parte debaixo do ranking ficaram Piauí (46,6%), Maranhão (47,8%) e Pará (51%).

Desigualdade

O estudo revela ainda que, enquanto as taxas de desocupação das pessoas brancas (7,3%) e de homens (7,5%) ficaram abaixo da média nacional (9,3%), as das mulheres (11,6%) e de pessoas pretas (11,3%) e pardas (10,8%) continuaram mais altas no segundo trimestre deste ano.

A coordenadora de trabalho e rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, afirma que, apesar da redução generalizada na taxa de desocupação em diversos recortes, a distância entre homens e mulheres no mercado de trabalho ainda é grande.

“A queda foi maior entre as mulheres, de 2,2 pontos percentuais, contra 1,6 ponto dos homens, porém, não foi o suficiente para diminuir a distância entre eles. A taxa [de desocupação] das mulheres é 54,7% maior que a dos homens”, lamenta Adriana.

Leia Também:  Cobras voadoras intrigam cientistas; veja no vídeo na matéria

O recuo disseminado da taxa de desocupação também atingiu o recorte cor ou raça. “A taxa em relação aos pretos e pardos em relação aos brancos aumentou”, explica a pesquisadora. No recorte por idade, a taxa de desocupação de jovens de 18 a 24 anos recuou de 22,8% para 19,3%. “Foi, entre as faixas etárias, onde mais caiu. Mas ainda sim, é uma taxa bastante elevada, bem acima da média”, completa ela.

Por R7

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

GOIOERÊ

Rancho Alegre D`Oeste

Juranda

Quarto Centenário

Boa Esperança

Farol

MAIS LIDAS DA SEMANA